Triângulo Histórico – Rua 15 de Novembro

Bom Dia!

Ontem iniciamos nosso passeio pelo famoso Triângulo Histórico, vamos continuar essa jornada? Partimos pela Rua São Bento e seguiremos pela Rua XV de Novembro.

Nos primórdios da velha São Paulo, era conhecida como Rua de Manoel Paes Linhares, um conhecido bandeirante do século XVII que ali residia. Com a construção da Igreja de Nossa Senhora do Rosário dos Homens Pretos, no Largo do Rosário (atual Praça Antonio Prado) a rua passa a se chamar Rua do Rosário. Em 1846, a cidade recebia a visita da família imperial brasileira. Como forma de homenagear a esposa de D. Pedro II, D. Teresa Cristina, a rua recebe o nome de Rua da Imperatriz, nome esse que durou até 1889, com a Proclamação da República, diversas ruas que tinham seus nomes ligados ao antigo regime sofreram alterações, sendo essa renomeada para Rua XV de Novembro.

Entre finais do século XIX e início do XX, este logradouro foi retificado em seu traçado, adquirindo um aspecto mais retilíneo.

Ao mesmo tempo, ela passa a ser uma das mais importantes da cidade, com belos edifícios e sede de cafés e restaurantes. Em 1900, os prédios dos grandes jornais de São Paulo estavam nesta rua como o “Correio Paulistano”, Diário Popular” e “O Estado de São Paulo”.

1904 - Rua XV de Novembro - Laemmert e Co - Ebay cópia

Nas palavras de um cronista daquela época, a Rua XV de Novembro era “…a principal rua da cidade, a de mais comércio e animação. Para ela converge tudo quanto São Paulo tem de melhor.” Mais tarde, seu perfil modifica-se: em conjunto com a Rua Boa Vista, a “XV de Novembro” transforma-se no centro bancário da cidade. Essa característica perdurou até a década de 1970, quando então os grandes bancos mudaram-se para a Avenida Paulista.

Foto: Postal da Rua XV de Novembro nos primeiros anos do século XX – O cartão postal foi circulado no ano de 1904. Fotografia tomada em direção ao Largo do Rosário. No fundo vemos a Igreja de Nossa Senhora do Rosário dos Homens Pretos, que foi demolida em 1904 e transferida para o Largo do Paiçandu. Se não me engano, esse sobrado entre os dois menores (do lado direito, o toldo do meio) ficava o estúdio de fotografia de Guilherme Gaensly. Editor: Laemmert e C.

Fonte: Parte do texto do site Dicionário de Ruas de São Paulo.

Anúncios

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s