Qual foi o primeiro?

Boa Noite!

Uma dúvida sempre surge quando o assunto é arranha-céu: qual foi o primeiro de São Paulo?

Uma pesquisa rápida e não muito aprofundada no Google mostrará duas respostas frequentes: o Sampaio Moreira, que é chamado inclusive de “avô” dos arranha-céus e o Martinelli, que em alguns casos o citam até como o “primeiro da América do Sul”. Mas um questão é crucial: quais critérios definem um edifício como arranha-céu? Segundo a definição do artigo encontrado no Wikipedia:

“Arranha-céu é um edifício alto, continuamente habitável por muitos andares, geralmente projetados para escritórios e uso comercial. Não existe uma definição oficial ou uma altura mínima para uma construção poder ser classificada como um arranha-céu. Uma característica comum dos arranha-céus é ter uma estrutura de aço que suporta as paredes externas, que servem como revestimento, em vez de paredes estruturais das construções convencionais. Alguns dos primeiros arranha-céus têm uma estrutura de aço que permite a construção de paredes estruturais mais altas do que aquelas feitos de concreto armado(…)”¹

O edifício considerado por muitos o primeiro arranha-céu história é o Equitable Life Buildingfoi o primeiro prédio comercial a ter elevadores. Sua construção começou em 1868 e foi finalizado em 1870.  O prédio possuía 8 andares em 43,3 metros de altura , localizava-se no número 120 da Broadway em Nova Iorque e foi destruído por um incêndio em 1912.²

O Equitable Life Assurance Building em ano aproximado a sua inauguração - Fonte: Wikimedia
O Equitable Life Assurance Building em ano aproximado a sua inauguração – Fonte: Wikimedia

Onde quero chegar com as informações acima?

Que partindo das dimensões do prédio considerado o primeiro do mundo, o primeiro arranha-céu de São Paulo não é nenhum dos dois citados no início de nossa publicação, o percursor paulistano é o Edifício Guinle. Em estilo art nouveau, o edifício localizado na rua Direita, conta com 36 metros de altura e 7 andares, foi projetado pelo arquiteto catalão Hyppolito Gustavo Pujol Júnior, a mando da família Guinle para ser a sede paulistana da empresa Guinle & Cia. Foi inaugurado em 1913 e tornou-se o prédio mais alto da cidade à época. O concreto usado na construção passou por testes no Gabinete de Resistência dos Materiais da Escola Politécnica (hoje o IPT), para garantir a segurança em uma época que a cidade não tinha prédios com mais de três ou quatro andares.³

 

Nesse postal da metade da década de 1910, vemos a rua Direita. Do lado esquerdo, a loja Casa da Época, a Confeitaria Fasoli (na placa está escrito apenas restaurante) e o Edifício Guinle. Na esquina com a rua 15 de Novembro, a Casa Lebre. Editor Malusardi
Nesse postal da metade da década de 1910, vemos a rua Direita. Do lado esquerdo, a loja Casa da Época, a Confeitaria Fasoli (na placa está escrito apenas restaurante) e o Edifício Guinle.
Na esquina com a rua 15 de Novembro, a Casa Lebre. Editor Malusardi

O reinado do Guinle durou até 1924, ano da inauguração do edifício Sampaio Moreira, na rua Líbero Badaró, com seus 12 pavimentos e 50 metros de altura, o SM figurou como mais alto edifício da cidade até 1928, ano da inauguração do edifício M… Rolim

Esse postal da segunda metade da década de 1920, destaca o edifício Sampaio Moreira. Do lado esquerdo, uma parte da fachada do Palacete Prates, sede da Câmara / Prefeitura. O prédio com a cúpula em segundo plano é o Palacete Crespi, hoje chamado de edifício York, na rua São Bento.  No canto direito, o prédio sede das Lojas La Saison. Edição da Papelaria Brasileira
Esse postal da segunda metade da década de 1920, destaca o edifício Sampaio Moreira.
Do lado esquerdo, uma parte da fachada do Palacete Prates, sede da Câmara / Prefeitura. O prédio com a cúpula em segundo plano é o Palacete Crespi, hoje chamado de edifício York, na rua São Bento. No canto direito, o prédio sede das Lojas La Saison. Edição da Papelaria Brasileira

É, ficou surpreso? Antes do Martinelli roubar a cena, o Rolim foi o mais alto da cidade. O edifício, também de autoria de Pujol Júnior, foi inaugurado em 1928, com 13 andares, mais porão e torre, infelizmente não encontrei informações sobre sua altura em metros.

O edifício Rolim e sua belo torre. Do lado direito, parte da fachada da Caixa Cultural Acredito que a foto seja do final da década de 1990. Infelizmente na época que encontrei a imagem não guardei autoria e fonte.
O edifício Rolim e sua bela torre. Do lado direito, parte da fachada da Caixa Cultural Acredito que a foto seja do final da década de 1990. Infelizmente na época que encontrei a imagem não guardei autoria e fonte.

Somente em 1930, o edifício Martinelli seria o maior arranha-céu de São Paulo e da América do Sul, com seus 25 andares (e mais 5 da Casa do Comendador, totalizando 30) e 130 metros de altura. Só perderia o posto (em SP) em 1947, para o imponente Altino Arantes.

Edifício Martinelli em fase  construção, aproximadamente em 1928.  Vemos ainda a avenida São João, em direção a Praça Antonio Prado, e o Palacete João Brícola, que daria lugar ao edifício Altino Arantes.  Imagem de Aurélio Becherini, acervo da Casa da Imagem.
Edifício Martinelli em fase construção, aproximadamente em 1928. Vemos ainda a avenida São João, em direção a Praça Antonio Prado, e o Palacete João Brícola, que daria lugar ao edifício Altino Arantes. No canto inferior esquerdo o monumento à Giuseppe Verdi, que ficava na praça de mesmo nome, em frente ao Palácio do Correio.
Imagem de Aurélio Becherini, acervo da Casa da Imagem.

 

O Ed. A Noite em fotografia de  Peter von Fuss - Acervo Milton de Mendonça Teixeira - Retirado do Blog João do Rio
O Ed. A Noite em fotografia de Peter von Fuss – Acervo Milton de Mendonça Teixeira – Retirado do Blog João do Rio

 

Ah, vale lembrar que o prédio considerado o primeiro arranha-céu de grande porte da América do Sul, fica no Rio de Janeiro e é o edifício Joseph Gire, mais conhecido como edifício A Noite, inaugurado em 1929 com 102 metros de altura.

Gostaria de lembrar ainda, que essa publicação foi feita através de um apanhado de informações e que as considerações sobre qual foi o primeiro arranha-céu paulistano são apenas minhas, sem nenhuma pretensão de que essa seja uma definição completa e absoluta. 😉

Fontes:
¹ http://pt.wikipedia.org/wiki/Arranha-c%C3%A9u
² http://pt.wikipedia.org/wiki/Equitable_Life_Building
³ http://pt.wikipedia.org/wiki/Edif%C3%ADcio_Guinle

 

Anúncios

5 comentários Adicione o seu

  1. Lucia verwey disse:

    Bom dia BRASIL! Gostaria de saber onde fica o prédio A NNOITE, para fazer uma visita na minha próxima visita ao Rio de Janeiro. Obrigada por publicar! Um abraco holandês, made in RIO DE JANEIRO!

    Curtir

    1. feherculano disse:

      Olá!
      Fica na Praça Mauá, no Centro da cidade!
      Abraço

      Curtir

  2. Jorge Fialho disse:

    Devo incluir tbem como o mais alto da América do sul o palácio Salvo,no centro de Montevideu de 1926…foi o mais alto durante algum tempo…por favor pesquisem sobre esse assunto,obrigado.

    Curtir

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s