José Bonifácio, o Moço

Bom Dia!

Você sabia que em frente às Igrejas do largo São Francisco, existiu um monumento em homenagem a um José Bonifácio?

José_Bonifácio,_o_Moço
José Bonifácio, o Moço. Foto do portal da Academia Brasileira de Letras, s/d.

José Bonifácio de Andrada e Silva era filho de Martim Francisco Ribeiro de Andrada e Gabriela Frederica Ribeiro de Andrada (o pai era irmão e a mãe era filha de José Bonifácio de Andrada e Silva, o Patriarca da Independência). Nasceu em Bordeaux, na França em 8 de novembro de 1827,  por ocasião do exílio da família após a dissolução da Assembleia Constituinte de 1823 por D. Pedro I. Recebeu a alcunha de “o moço” para diferencia-lo do tio-avô.

Fez os primeiros estudos em São Paulo. Aos 14 anos ingressou na Escola Militar da Corte, de onde se afastou em 1846, sem terminar o curso. Formou-se em 1853 pela Faculdade de Direito de São Paulo. Foi professor de direito na escola de Recife e depois em São Paulo, tendo sido titular da cadeira de Direito Criminal e de Direito Civil. Teve como alunos figuras como Rui Barbosa, Castro Alves, Joaquim Nabuco e Afonso Pena.

Foi deputado provincial (1860) e deputado geral por São Paulo de 1861 a 1868 e de 1878 a 1879 e senador do Império do Brasil de 1879 a 1886. Orador e escritor de estilo romântico, notabilizou-se pela defesa do sistema parlamentarista e do voto dos analfabetos. Foi também ministro da Marinha em 1862 e do Império em 1864, participou do movimento abolicionista, defendendo a libertação dos escravos de forma imediata e sem indenização. Rejeitou o cargo de Presidente do Conselho de Ministros em 1883 que lhe foi oferecido pelo Imperador D. Pedro II.

Era casado com Adelaide Eugênia da Costa Aguiar de Andrada em primeiras núpcias e após o seu falecimento casou-se em segundas núpcias com Rafaela de Souza Aguiar Gurgel do Amaral. Do primeiro casamento teve os seguintes filhos: José Bonifácio, Martim Francisco, Narcisa, Maria Flora e Gabriela.

Faleceu em São Paulo, em 26 de outubro de 1886. No dia seguinte à sua morte, ocorrida subitamente, em São Paulo, Joaquim Nabuco chamou-lhe “a mais nobre, a mais pura, a mais alta individualidade do nosso país”. E Rui Barbosa exaltou-o como guia supremo da última geração, situando-o na esfera da política e da oratória, onde a História o colocou; não entre os autênticos poetas, mas entre os homens de pensamento e de ação.

Logo após sua morte, foi montada uma comissão para angariar fundos para a construção de um monumento em sua homenagem.

Uma das minhas fotos preferidas do monumento, c. 1895/1900. A foto foi retirada do blog ...quando a cidade era mais gentil.
Uma das minhas fotos preferidas do monumento, c. 1895/1900. A foto foi retirada do blog …quando a cidade era mais gentil.
Imagem da mesma coleção da anterior, mostra o Largo São Francisco e o monumento ao fundo.
Imagem da mesma coleção da anterior, mostra o Largo São Francisco e o monumento ao fundo.

Quatro anos depois, em 26 de outubro de 1890, foi inaugurado o monumento, que ficava em frente às igrejas do Largo São Francisco e ao lado do antigo convento dos franciscanos, que na época já abrigava a Faculdade de Direito de São Paulo.

Postal circulado em 1904, mostra o Monumento a José Bonifácio, o Moço em postal editado pela Casa Garraux.
Postal circulado em 1904, mostra o Monumento a José Bonifácio, o Moço em postal editado pela Casa Garraux.

O obra é de autoria de Georges Engrand e era um monumento imponente. base, pedestal e estátua somavam mais de 9 metros de altura.

Foto do início do século XX, creio que de autoria de Aurélio Becherini. É possível ver a dimensão do monumento em segundo plano. Acervo da Secretaria Municipal de Cultura
Foto do início do século XX, creio que de autoria de Aurélio Becherini. É possível ver a dimensão do monumento em segundo plano. Acervo da Secretaria Municipal de Cultura

O monumento ficou no local por 45 anos, e em 1935, por uma questão viária (como tudo em São Paulo), deveria que ser transferido de local para que o largo São Francisco fosse uma das rotas para desafogar as ruas do chamado Triângulo (formado pelas ruas Direita, 15 de novembro e São Bento). A ideia inicial era a transferência para a rua Cristóvão Colombo, porém sua base foi demolida e a estátua permaneceu nos depósitos da prefeitura até os anos 1940, quando foi recolocado na entrada do novo prédio da Faculdade de Direito, onde permanece até os dias atuais.

As imagens abaixo, assim como as anteriores. foram as que encontrei em meu acervo em que aparece a estátua de José Bonifácio, o Moço, e estão publicadas em certa ordem cronológica.

Postal da série mais antiga de postais publicadas em São Paulo, datado de 1899 e editado por V. Steidel.
Postal da série mais antiga de postais publicadas em São Paulo, datado de 1899 e editado por V. Steidel.
Postal circulado em 1904, editado e fotografado por Guilherme Gaensly. A imagem, além do Monumento no canto direito, mostra o segundo prédio da Faculdade de Direito.
Postal circulado em 1904, editado e fotografado por Guilherme Gaensly. A imagem, além do Monumento no canto direito, mostra o segundo prédio da Faculdade de Direito.
Postal da c. 1910 e se não estiver enganado, colorizado a mão. Editado por F. Manziei
Postal da c. 1910 e se não estiver enganado, colorizado a mão. Editado por F. Manziei
Outro postal da década de 1910, dessa vez editado pela Typographia Brazil de Rothschild & Co.
Outro postal da década de 1910, dessa vez editado pela Typographia Brazil de Rothschild & Co.
Mais um postal editado pela Typographia Brazil de Rothschild & Co.
Mais um postal editado pela Typographia Brazil de Rothschild & Co.
Largo S. Francisco e o monumento a José Bonifácio, datada de 1927, foto de autoria Caio P. Barreto, acervo do Arquivo Público do Estado de São Paulo, Memória Pública.
Largo S. Francisco e o monumento a José Bonifácio, datada de 1927, foto de autoria Caio P. Barreto, acervo do Arquivo Público do Estado de São Paulo, Memória Pública.
Largo S. Francisco e o monumento a José Bonifácio, datada de 1927, foto de autoria de Caio P. Barreto,, acervo do Arquivo Público do Estado de São Paulo, Memória Pública.
Largo S. Francisco e o monumento a José Bonifácio, datada de 1927, foto de autoria de Caio P. Barreto,, acervo do Arquivo Público do Estado de São Paulo, Memória Pública.

Fontes:

https://pt.wikipedia.org/wiki/Jos%C3%A9_Bonif%C3%A1cio,_o_Mo%C3%A7o
http://www.academia.org.br/academicos/jose-bonifacio-o-moco/biografia
http://acervo.estadao.com.br/noticias/acervo,era-uma-vez-em-sp-monumento-a-jose-bonifacio-o-moco,11277,0.htm
http://www.desvirtual.com/mda/wp-content/uploads/2016/03/Legenda_Mesa.pdf

Anúncios

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s